O mundo precisa de pessoas que não tenham medo de assumir a sua vulnerabilidade. Que tenham ousadia para expôr as suas emoções e sentimentos, os seus medos e sonhos, as suas dúvidas e inquietações. Com naturalidade. Sem vergonhas. Que o façam de forma a encurtar distâncias — afinal, somos todos tão semelhantes no que somos e sentimos. O mundo precisa de pessoas que tenham coragem para ser. Audazes. Que abracem. Que se emocionem com a vida. Que falhem, mas que aprendam e evoluam. Que lutem por aquilo em que acreditam — e que acreditem em coisas bonitas. O mundo precisa de pessoas que saibam oferecer um abraço e ouvir com atenção. Que queiram compreender o que não é óbvio. E que entendam que há momentos onde o silêncio basta, mas que também há outros em que é preciso (mais do que nunca) dizer, reagir, agir.

O mundo precisa de pessoas que não precisam de ser perfeitas. Apenas inteiras, reais e suficientemente corajosas para saber que é na profunda partilha do que somos (com as qualidades e os defeitos, com os acertos e as falhas) que reside a maior demonstração de respeito por nós e pelo outro — e uma das maiores magias da vida.

About the Author: Laura Azevedo

Leave A Comment