Wonderful May – PT2020-05-17T17:44:05+01:00

Coragem

Somos mais felizes quando respeitamos a nossa essência e a nossa verdade. E quando nos enchemos de coragem para decidir o nosso próprio caminho. Mesmo que esse caminho não seja o mais fácil. Mesmo que essa verdade não seja a mais bonita, a mais facilmente dita. Mesmo que essa essência, de que somos feitos, tenha inúmeros defeitos, contenha inúmeras falhas.

[Que nunca nos falte a coragem, a lucidez e a autonomia para decidirmos a vida de acordo com a nossa vontade e verdade.]

By |Maio 8th, 2020|Categories: Notas breves|0 Comments

Recomeçar

Apesar do receio de se tomar a decisão errada; apesar de até as certezas maiores também terem dúvidas dentro; apesar da coragem enorme de que se precisa para decidir e seguir em frente; apesar do medo do que vem a seguir; apesar de se saber que até a decisão que, hoje, parece ser a mais certa se pode transformar, amanhã, na mais errada de todas; apesar da opinião e dos juízos de valor dos que estão de fora; apesar do orgulho e da vergonha de se poder ver as expectativas quebradas; apesar da vontade gigante de que tudo dê certo, elevando as expectativas e, com isso, o risco de uma maior desilusão; apesar do medo de não se ter condições suficientes, de não se ter apoio suficiente, de não se ter experiência suficiente, de não se ter razão suficiente, de não se ter coragem suficiente: cada novo dia é sempre um bom dia para recomeçar. Se quisermos muito.

Com a consciência de que o que mais importa não é tomar uma decisão sem riscos, uma decisão sem falhas, uma decisão sem medos, mas antes tomar a decisão que se sente precisar de tomar. Para se estar de bem com a própria consciência. Para se ser mais feliz — ou, pelo menos, para se tentar.

By |Maio 7th, 2020|Categories: Notas breves|0 Comments

Respirar fundo

Respirar fundo. Saber que há dias menos bons a que todos nós temos direito. Dias em que gostamos menos de quem somos. Dias em que nos aturamos menos. Dias em que queremos ser mais do que somos. Respirar fundo e saber que as palavras menos boas que nos dizemos são apenas reflexo de querermos fazer melhor — porque, no mais fundo de nós, acreditamos ter essa capacidade. Respirar fundo e saber que há dias menos bons que, por vezes, acabam por se tornar nos melhores de todos. Sem estarmos à espera. Se deixarmos. Se percebermos que há uma certa sabedoria em permitir que as horas e os momentos sigam o seu próprio rumo. Se nos deixarmos levar pelo inesperado da vida.

Respirar fundo e saber que respirar fundo não resolve nada só por si. Não transforma as coisas más em coisas boas. E não chega para trazer soluções para os problemas duros da vida. Mas ajuda tanto.

Ajuda a ter calma. Ajuda a dar espaço e tempo à vida — a vida em nosso redor e a vida em nós. Ajuda a aceitar melhor que nem tudo precisa de ser perfeito — que nós próprios não precisamos de ser perfeitos. Que apenas precisamos de ser. Porque ser já é tanto. Estarmos vivos é já tanto.

By |Maio 6th, 2020|Categories: Notas breves|0 Comments

O lado menos bom

É fácil gostarmos de nós quando está tudo bem. Quando o corpo parece mais novo do que os anos que tem. Quando dizemos a palavra certa no momento certo. Quando superamos uma expectativa. Quando agradamos alguém. Quando nos fazem um elogio. Quando estamos no nosso melhor. Difícil é gostarmos de nós quando dizemos a coisa mais inapropriada de todas. Quando acordamos de mau humor. Quando não temos paciência. Quando a roupa já nos assentou melhor. Quando nos comparamos. Quando falhamos. Quando nos fazem uma crítica dura. Quando perdemos algo (ou alguém) importante. Quando olhamos apenas para o pior de nós.

Mas esse lado menos bom que temos (essa imperfeição que nos molda, esse desinquietante posso-sempre-ser-melhor, esse caminho todo tão árido ainda por percorrer em nós e naquilo que somos) é o lado que nos equilibra. É o lado que nos torna humanos. É o lado que nos torna reais. E é o lado que, sem nos apercebermos, tantas e tantas vezes, nos embeleza.

By |Maio 5th, 2020|Categories: Notas breves|2 Comments

Pessoas corajosas (e bonitas)

O mundo precisa de pessoas que não tenham medo de assumir a sua vulnerabilidade. Que tenham ousadia para expôr as suas emoções e sentimentos, os seus medos e sonhos, as suas dúvidas e inquietações. Com naturalidade. Sem vergonhas. Que o façam de forma a encurtar distâncias — afinal, somos todos tão semelhantes no que somos e sentimos. O mundo precisa de pessoas que tenham coragem para ser. Audazes. Que abracem. Que se emocionem com a vida. Que falhem, mas que aprendam e evoluam. Que lutem por aquilo em que acreditam — e que acreditem em coisas bonitas. O mundo precisa de pessoas que saibam oferecer um abraço e ouvir com atenção. Que queiram compreender o que não é óbvio. E que entendam que há momentos onde o silêncio basta, mas que também há outros em que é preciso (mais do que nunca) dizer, reagir, agir.

O mundo precisa de pessoas que não precisam de ser perfeitas. Apenas inteiras, reais e suficientemente corajosas para saber que é na profunda partilha do que somos (com as qualidades e os defeitos, com os acertos e as falhas) que reside a maior demonstração de respeito por nós e pelo outro — e uma das maiores magias da vida.

By |Maio 4th, 2020|Categories: Notas breves|0 Comments

Mãe

Os cabelos loiros que brilham mais do que o próprio sol. O olhar de um azul profundo que traz mar e sabedoria dentro. O silêncio que diz tudo sem precisar de usar quaisquer palavras. As conversas cúmplices que expõem a alma, e o que ela tem de mais complexo e profundo, e que surgem com uma naturalidade tão simples. Os problemas que, de repente, se simplificam. E os medos que logo deixam de ser medos porque se enchem de tanta coragem. A leveza nos pés que saltitam, dançantes, e as cantorias da alma mesmo nos dias de maior tempestade. A meninice. A genuinidade. A força. A determinação inabalável. A curiosidade. A essência de cuidar. O amor. A coragem para recomeçar e a doce rebeldia de ouvir o coração. Esse coração grande que sente (e pressente) tudo. Mãe.

By |Maio 3rd, 2020|Categories: Notas breves|2 Comments

Ouvir o coração (e manter a calma)

Há momentos, na vida, que nos forçam a viver tudo e muito depressa. As mudanças — umas tão inesperadas e urgentes, outras tão profundas e dolorosas — obrigam-nos a estar em alerta constante. Somos invadidos por emoções intensas, que surgem em catadupa, e o coração parece explodir dentro do nosso peito. Mas não há tempo para respirar fundo. Não há sequer a possibilidade de um silêncio profundo para ficarmos, por um instante, a recarregar energias para o próximo embate — porque até os silêncios, por mais breves, têm dentro uma avalanche de pensamentos e de emoções que nos atordoa.

Nesses momentos, é preciso deixar a vida acontecer. É preciso respirar fundo. É preciso aprender a ouvir o coração e, mesmo no caos, manter a calma. É preciso persistir — mesmo na dor. E é preciso acreditar que melhores dias virão. Porque vêm sempre.

* É assim que nos tornamos mais fortes.

By |Maio 2nd, 2020|Categories: Notas breves|0 Comments

Bem-vindo, maio

Que este maio seja feito de palavras bonitas, de emoções intensas e de sentimentos puros. Que este maio seja feito de abraços que reconfortam, de sorrisos que aquecem a alma e de gargalhadas que relembram o quão maravilhoso é estarmos vivos. Que este maio seja feito de uma cumplicidade que dá sentido à vida, e de liberdade para sermos quem somos e estarmos mais perto de quem tanto queremos perto. Que este maio seja feito de respeito, de partilha, de compaixão e de amor. Que traga mudanças profundas em nós e nos outros. Que seja o começo de uma nova Era, onde valorizamos de forma mais consciente o que verdadeiramente importa, sendo mais brandos connosco próprios e com os outros.

Que este maio venha cheio de flores, sol e muita luz. E que seja maravilhoso.

Aqui. Aí. E entre nós.

Bem-vindo, maio. Traz o melhor de ti.

By |Maio 1st, 2020|Categories: O blog|2 Comments
Laura Almeida Azevedo,
autora + ilustradora